Alimentação ideal para idosos. Existe?

Muito se fala sobre a alimentação ideal para idosos. Afinal, existe uma? Como seria? Hoje contaremos sobre mais um mito em relação a nutrição. 

Você provavelmente já ouviu falar que o idoso precisa comer mais  proteínas, né?

Ah, e que elas devem ser de origem animal e que precisam ingerir calorias especificas para se manter forte e com a saúde óssea e muscular em dia, certo? Não, errado! 

Quer saber a alimentação ideal para idosos? Então, continue lendo! 

Qualidade da dieta e risco de fragilidade em idosos

Procurar uma reposta em alimentos/nutrientes isolados é um grande erro. 

Entenda: ao fazer uma alimentação baseada em qualidade, interação entre nutrientes, alimentos minimamente processados, etc… Portando, é com certeza mais vantajoso do que se apegar a um ou outro alimento

Segundo um estudo recente, que envolveu 2.154 adultos norte-americanos com idades entre 70 e 81 anos, descobriu após avaliar a qualidade de sua alimentação o seguinte:

Dietas de baixa qualidade: risco quase 100%  maior de desenvolver fragilidade;

Dietas de qualidade média: 40% de aumento de fragilidade.

Vale ressaltar: e tudo isso se comparado com dieta de alta qualidade. 

Por fim, mais uma confirmação é que o Journal of American Geriatrics Society também revelou que a ingestão total de proteína, a ingestão de proteína animal e o total de calorias consumidas não tiveram impacto significativo no risco de fragilidade. 

Além disso, existe um termo utilizado na área da saúde que é para se lembrado quando o assunto for alimentação ideal para idosos: Take Home Message – oferecer o suficiente vale mais que suplementar. 

Como o idoso deve cuidar da alimentação 

Antes de mais nada, qualquer pessoa – seja idoso, adulto ou criança – precisa consultar um nutricionista para saber o que é melhor para o seu organismo. 

Enfim, restou dúvidas? Comenta abaixo! Podemos te ajudar. 

Referência:Prospective Associations of Diet Quality With Incident Frailty in Older Adults: The Health, Aging, and Body Composition Study- J Am Geriatr Soc 2019.

Compartilhe o que está pensando